QUAL É O PREÇO DO SUCESSO PARA VOCÊ?

Os problemas: Dependência moderada? Dependência total?

As respostas: Não sei! Não quero falar nisso!

Pois é, o assunto é trabalho. Na verdade é o trabalho compulsivo, desgastante e exaustivo. O assunto é workaholics.

Você conhece alguém viciado, literalmente viciado em trabalho? Tenho certeza que sim. Todo mundo conhece. Não é uma pessoa escassa no mercado, na verdade é mais comum do que se pode imaginar. Parece que ser workaholic está na moda, e essa é uma trágica verdade.

As pessoas viciadas em trabalho sempre existiram, porém nos últimos anos sua existência foi motivada pela competitividade, ganância, vaidade, talvez uma necessidade de sobrevivência ou a ideia fixa de provar algo a alguém ou a si mesmo. Essa busca alucinada, exagerada, torturante, esconde uma pessoa com um incontrolável medo de fracassar, que se condiciona diariamente a busca de resultados cada vez melhores e cada vez mais rápidos, porém, sem medir o que poderá custar para o seu corpo e para a sua mente, tal decisão.

A compulsão não é algo admirável. Agora imagine uma pessoa vivendo única e exclusivamente para o trabalho, sem equilíbrio e sem disciplina, sem um meio termo, agindo com obsessão por algo que supervaloriza, e que de tão fascinada parece estar cega, cometendo erros e deslizes, gerando conflitos e problemas diversos para si mesmo e para outras pessoas, dentro e fora do ambiente de trabalho. O papo é só trabalho, e a dificuldade de manter um diálogo com a pessoa workaholic é justamente essa. Enquanto uma pessoa normal migra de assuntos, fala sobre o tempo de faculdade, as festas, a política, algum filme, alguma pessoa, um novo relacionamento, as próprias ambições, os acontecimentos da semana, um workaholic consegue apenas visualizar seu trabalho, fica inquieto, nervoso, perdido, quando o papo não é trabalho.

Não é preciso ser um workaholic para ter sucesso. Na verdade o sucesso é uma fusão de três fatores: saúde, relacionamentos bem-sucedidos e riqueza. De nada adianta você ter saúde e não ter dinheiro. De nada adianta também você ter relacionamentos bem-sucedidos e não ter saúde. De nada adianta você ter dinheiro e ninguém querer a sua companhia. É a administração inteligente desses três fatores que faz a vida realmente valer a pena.

As perguntas que você deve fazer a você para saber se está exagerando no trabalho são:

• Será que o tempo que eu gasto no trabalho faz mesmo a diferença no resultado final?
• Qual seria a melhor forma de empregar o meu tempo no trabalho sem me sentir refém dele?
• Qual seria a melhor forma de empregar o meu tempo no trabalho sem arruinar outras áreas importantes da vida?
• Tem alguém na empresa que poderia me ajudar a me tornar mais produtivo sem gerar tantos problemas?
• O que eu posso fazer no meu trabalho para desempenhá-lo com mais criatividade?
• Como eu posso aproveitar melhor as oportunidades concentradas no meu ambiente de trabalho?
• Como eu posso aproveitar melhor as oportunidades concentradas fora do meu ambiente de trabalho?
• Como eu posso gerar bons resultados para chamar a atenção do meu chefe e receber uma promoção na empresa?
• Como eu posso me tornar indispensável para a empresa?
• Quais são os hábitos que eu preciso incorporar para gerenciar melhor o meu tempo e as minhas oportunidades?
• Quais são os hábitos que eu preciso eliminar para gerenciar melhor o meu tempo e as minhas oportunidades?
• Como eu posso fazer para participar ativamente de redes de negócios altamente produtivas e eficazes?
• Qual é a melhor forma para eu começar a me relacionar com as pessoas que podem me promover?
• Quais seriam os conhecimentos, habilidades e atitudes que fazem a diferença no cargo que eu almejo?
• Como eu posso fazer para dar mais atenção a minha família e amigos e participar ativamente da vida dessas pessoas?
• Qual é a melhor forma de aumentar o meu salário?
• Qual é a melhor forma de gerenciar o meu tempo?
• Qual é a melhor forma para eu obter mais realização nas atividades diárias que o meu trabalho exige?
• Como eu faço para sair da repetição e gerar mais satisfação no gerenciamento de uma rotina eficaz de trabalho?
• O que eu posso fazer para saber o que realmente os meus amigos, colegas e familiares pensam sobre a minha fixação pelo trabalho?

Trabalho duro não tem nada a ver com trabalho inteligente. O trabalho duro maltrata o corpo e a mente, e mata a produtividade. O trabalho inteligente cuida do corpo e da mente, e garante a produtividade. O trabalho duro gera autossabotagem. O trabalho inteligente gera entendimento. O trabalho duro apaga a criatividade. O trabalho inteligente aflora a criatividade.  O trabalho duro denigre a pessoa. O trabalho inteligente promove a pessoa.

Pense em todas as perguntas que lhe foram feitas. Reflita sobre o papel do trabalho na vida das pessoas: “gerar um profundo sentimento de realização”. Será que o trabalho gera em você um profundo sentimento de realização? Você se sente conectado com os seus verdadeiros valores de vida ao fazer o que faz? Você realmente gosta do que faz?

As perguntas certas têm o poder de levar pessoas inteligentes ao encontro das soluções, direcionam o nosso foco e a nossa energia para o que é realmente imprescindível. Logo, questione-se sempre que puder, sem crítica excessiva, injustiça ou ódio, faça sempre perguntas inteligentes para chegar a algum lugar melhor.

Amor e Sabedoria.

Thiago Tombini

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s